11 março 2020

Caso Marinha #17 Voltando a Defensoria Pública e o Desencontro de Informações



Olá pessoal: venho mais uma vez através de uma postamge relatar mais um capítulo desta piada de mal gosto que vem acontecendo comigo.

Vocês devem lembrar dos últimos relatos - caso não refresquemos a memória: a atendente que me atendeu há um ano atrás afirmou que não poderia ter nada em meu nome que eles iriam  confiscar para pagamento deste "valor indevido" que recebi fruto de uma tutela antecipada feita por uma advogada oportunista.

O que me levou a volta a DPU agora? Foi devido ao meu filho ter sido diagnosticado com TDAH inclusive com um atestado emitido por seu neurologista sobre este transtorno - incluindo seu CID. Fui lá novamente pedir ajuda, já que estava em risco renda e bens. Pra quem não sabe sou o único com renda fixa na casa.

Cheguei a atendente, agradeci por me atender sem ter que agendar, porque tudo na defensoria tem que ser agendado, expliquei meu caso e perguntei se teria algo que poderia ser feito. Ela afirmou que não tinha como fazer algo para me ajudar, ela rispidamente falou que nada poderia ser feito, que o juiz tinha batido o martelo pronto e acabou.

Aquela situação mexeu com meu emocional, tive uma crise que me fez desmaiar e ter uma convulsão, algo inédito até então. Uma técnica de enfermagem que estava presente no local ficou comigo me socorrendo até a chegada da SAMU.

Quando os médicos chegaram, fizeram alguns procedimentos como checagem de glicose e verificação de pressão. Comentei que estava sob tratamento médico e por conta de problemas financeiros não pude comprar os remédios receitados, até porque quando finalmente fui conseguir o dinheiro a receita tinha vencido, além de relatar toda a história que conto aqui.

Através de acompanhamento dos enfermeiros da SAMU, passei a frente de todo mundo no dia. Percebi que o discurso da atendente foi totalmente diferente do dito anteriormente para mim. Disse que a defensoria não abandonou meu caso e que ele prescreve em 2 anos, caso eles não encontrem forma de pagamento da dívida e que eles não podem tomar renda de sustento e moradia própria. Ela chegou a olhar todos os processos (todos arquivados) inclusive um de danos morais que foi negado por não ferir a constituição, ou seja tudo que eu passei foi uma frivolidade. Pediu pra que confiasse na defensoria e que eles iriam telefonar, caso fosse necessário meu comparecimento.

Estão vendo? Precisei passar mal para ser atendido de uma maneira decente. Não aceito tal situação, sou obrigado a aceitar isso tudo. Como confiar num orgão desse sua vida, nem em certos advogados dá pra confiar, quiçá nisto. Mas segundo me disseram que a DPU tem os melhores advogados.

26 fevereiro 2020

Hasbro Vai Relançar os Mini Games "Série Master" da Tiger nos EUA






A Hasbro adquiriu a licença para produzir e comercializar os mini games da finada Tiger Eletronics, por aqui esses mini games ficaram conhecidos como Mini Games Série Master e foram lançados pela Tec Toy nos anos 90, tive alguns e chego a falar deles nesta postagem. Abaixo, uma foto dos modelos que serão lançados vindo da New York Toy Fair:



Propagandas dos Mini Games série Master:




NECA Lançará Figuras Comemorativas dos 35 Anos do Desenho Defensores da Terra !



Lembra dos Defensores da Terra ? Sabia que estão fazendo 35 anos em 2020 ? Sabia que para comemorar a data a NECA vai lançar figuras dos icônicos heróis: Fantasma, Mandrake, Flash Gordon, Lothar e o vilão Ming o Impiedoso? É isso aí que você leu. Vamos as imagens direto da NY Toy Fair desse ano:





Figuras bacanas em escultura, realmente um must have essa linha.

Imagens das Figuras dos Caça Fantasmas pela Hasbro !



A Hasbro informou início desse mês que lançará os brinquedos da franquia Caça Fantasmas, incluindo do terceiro filme que dessa vez acerta em cheio aos fãs da franquia, ao invés de agradar os militantes. Confira as imagens:














Mas o melhor é que eles conseguiram os moldes da Kenner e vão relançar os bonecos da animação clássica:



Fonte : Figuras de Ação

31 janeiro 2020

Quando a Memória Afetiva Vence!



Amigos, como vocês sabem eu além do meu emprego faço vendas pela internet e garimpo em diversos lugares material antigo para vender. A maior parte deles são brinquedos, que são minha especialidade. Durante uma conversa com um dos meus fornecedores de material de venda, encontrei uma moça que já vinha me abordado antes a procura de um boneco do He-Man agora atrás de bonecos do Cavaleiros do Zodíaco para seu filho.

Eu questionei a ela como ele tinha ficado sabendo da existência dos personagens, se foi por causa da nova série animada da Netflix em que certos sites especializados enchem a boca pra dizer que são para as novas gerações e que os fãs são muito chatos e bla, bla, bla... A moça disse que foi porque ela tinha apresentado a animação original a ele e ele gostou dos personagens. Ela estava interessada em pegar os 5 protagonistas para ele, que no natal não pode dar. Ela teve que usar de um malabarismo dialético pra explicar para ele por que Papai Noel não pode dar os bonecos.



Depois desse relato eu fiquei tocado pela história, estou tentando achar esses bonecos a um bom preço para realizar o sonho do pequeno. Mas o ponto que gostaria de tocar é que isso está acontecendo em um momento muito peculiar... Estamos com a série da Netflix aí, está na segunda temporada até. E o pessoalzinho da imprensa vende como um inigualável sucesso, mas e as ações de marketing?

Eu vim de uma época em que muitos dos desenhos animados quer eram exibidos aqui vinham por distribuidoras, muitos oriundos de ações de marketing que havia como base "vender brinquedo" Isso que fazia com que pagasse até em parte os custos da produção garantia novas temporadas... Enfim, a relação produtos x desenho é o que definia o sucesso dele. Claro que existia a qualidade, mas era preciso gerar receita até para a continuidade da marca. Não só para brinquedos, mas para outros tipos de produtos infantis. Claro que não vivíamos isso com certa intensidade, já que muita coisa vinha pra cá sem planejamento nenhum e, com o advento da internet, descobríamos que nos países de origem 90% delas eram ligados a um brinquedo.



As coisas só ficaram um pouco melhores nos anos 90 com Cavaleiros e que repetiu em marketing similar em 2004 em infinidade de produtos para crianças e fãs. Alguma empresa podia tentar pegar a licença ao menos para produzir algo simples para esses novos fãs como a sumida Acalanto na época, eram bonecos do tamanho dos da linha Titan Heroes da Marvel e seriam ideias em escala para as crianças:


 Tanto os da linha da Acalanto (foto acima) e Knights (foto abaixo) seriam interessantes para crianças por não conter partes desmontáveis e serem mais idênticos aos personagens da TV.


Esses brinquedos eram bem caros na época, hoje com a moda do colecionismo e os fanbase que existe tornaram eles ainda mais caros, há uma procura constante ainda hoje por elas. Não só por isso, mas por outros produtos... Aliás esse é um ponto negativo que vejo com as produções da plataforma Netflix: ações de marketing nulas em explorar as franquias como marcas, tanto as novas quanto as que eles vampirizam com novas versões e adaptações.

Não posso deixar de observar o desleixo que é tratada uma marca rentável: vendo que está em evidência graças a uma exibição de um serviço de streaming e nada ter sido planejado de revival da marca, e ninguém se ligar nisso e os veículos do meio atacar o fã da animação clássica nos quais muitos são pais e são os responsáveis por passar a franquia a seus filhos.



26 janeiro 2020

Present Machine (Taito) (Anos 90)



Primeira postagem do ano! Depois desse hiato agora pinto com algo para comentar para vocês aqui: hoje quero falar de uma máquina da prêmio diferente que eu vi por aqui em alguns (poucos) lugares A Present Machine da Taito.

Essa era bem diferente das que comumente tínhamos por aqui nos anos 90 em que as mais populares eram as gruas - máquinas com bonecos de pelúcia. Esta dava brindes diversos no seguinte esquema,  a cada tentativa você escolhia o prémi com uma luz em uma seta e na segunda você tinha que parar a luz na mesma seta que você escolheu o prêmio, só que esta ia rapidamente como uma roleta.


Era bem difícil acertar, aliás nunca vi ninguém acertar na dita cuja, cada tentativa era 1 real na época. Acabou não fazendo sucesso por aqui porque era um jogo bastante difícil e os prêmios não eram tão legais quanto as gruas, que já dominavam os estabelecimentos.


Você tem alguma recordação dessa máquina pra compartilhar? Deixa nos comentários.

29 dezembro 2019

[Retro Análise] A Volta Ao Mundo Com Timão e Pumbaa




No ano de 1997 o SBT fecha a parceria com a Disney, e com ela consegue o bloco chamado Disney Club em que os apresentadores eram crianças e comandavam uma TV Pirata. Dentro desse programa que era uma espécie de seriado infantil simplório, porém com o tempo foi ganhando novos integrantes e sua trama aprimorada passam os desenhos feitos para TV da  Casa do Mickey Mouse.

Os primeiros desenhos a serem exibidos dentro do bloco foram a Turma do Pateta e Timão e Pumbaa. Que é a nossa análise de hoje.

Um Resumo.


Timão é Pumbaa é um Spinoff do Rei Leão, provavelmente não quiseram optar por fazer um seriado do filme contando a pós vida do Simba como feito em Aladdin e Pequena Sereia. E como eles eram alívio cômicos bem populares, provavelmente seria o melhor caminho para a franquia.

De fato os personagens do "Leãoverso" (Universo do Rei Leão) por motivos mais que óbvios (duh), inclusive alguns episódios são dedicados a eles como as Hienas do Scar e o Zazu. Mas o desenho tentava uma pegada mais cartoons dos anos 90, mas sem muita ousadia ao meu ver.



Episódios no Mercado de Vídeo Doméstico.


Foram lançados episódios para Home Vídeo (VHS pra quem não sabe) e DVD. Os títulos foram: Volta ao Mundo Com Timão e Pumbaa, Almoçando com Timão e Pumbaa e De Férias com Timão e Pumbaa. Atualmente esses títulos estão fora de catálogo e são bem difíceis de achar - ainda mais hoje com o mercado de mídia física indo pras cucuias, mas o que teve maior tiragem, porque saiu em bancas comprando o jornal mais dinheiro levava um DVD foi o Volta ao Mundo com Timão e Pumbaa.

O DVD mostra como é o formato realmente de como a série animada era exibida nos Estados Unidos, naquele formato desenho dentro do desenho. Neste DVD acompanhamos Timão tentando recuperar a memória de Pumbaa, que a havia perdido quando levou um raio enquanto passeavam pela mata. O formato são 6 episódios e um clipe musical dos personagens, este apresentado no meio dos episódios.

Durante a narrativa ele relembra as viagens que eles fizeram ao redor do mundo, isto indo na maior parte via containers - plagiando o Pernalonga - e dai o plot se desenvolvia para as mais variadas confusões.

Na minha opinião acho o humor dessa série meio contido comparado a outras produções, engraçado que adorava isso quando mais novo e hoje sinto que não é tão bom assim. Talvez pelos episódios apresentados serem os menos gostáveis na minha opinião. Os personagens que contracenam com os personagens são pouco interessantes, são genéricos demais. Me impressiona que o programa tenha sido reprisado posteriormente na Globo, inclusive indo ao ar na parabólica. Admito que o apelo dos personagens é alto, mas como spinoff é bem fraco comparado a personagens como Pinguins de Madagascar.

Uma curiosidade: um dos clipes dessa animação foi exibido no Disney Club a música é a Quem Dorme é o Leão, acho que é o único clip totalmente dublado. Já que os outros só foram dublado os diálogos. Eu tenho o gravado isso em alguma VHS perdida, isto se não foi roubada na época.



 



 






17 novembro 2019

Caso Marinha #16 : Ato Ordinatório e Minha Descrença com o STF



Olá pessoal, mais uma vez aqui venho tratar do caso da minha pensão. Estava olhando aqui vai sair um mandado para cassação dos meus bens para pagar a dívida com a união federal devido ao dano ao erário público, eles intimaram o MM (Ministério da Marinha) para a busca dos meus bens conforme tela a seguir:


Infelizmente é isso aí: nós não temos justiça justa, ainda me falaram que não ganhei porque eu não tive boa defesa. Boa defesa eu tive, tenho a carta provando que foram eles que me procuraram um ano depois que falaram para mim e minha mãe que não tínhamos direito. Levo este caso a internet como um alerta, mas no fundo queria que alguém me ajudasse. Porém agora sei que é impossível alguém me ajudar, nem mesmo a DPU (Defensoria Pública da União) quer saber do meu caso. 

Todo o sistema judiciário tá corrompido, viram a decisão deles dias atrás. Quem eles beneficiaram e consequente beneficiaram junto? Não tem justiça, advogado gosta de dinheiro. Não se importa com a vida do cliente e os da Defensoria Pública fingem se importar.

A verdade é essa.

06 novembro 2019

O Problema Psicológico Alheio Não Preocupa Ninguém.



Olá amigos, depois de um belo tempo sumido sem postar nada por aqui devido a desestímulo e cansaço do cotidiano atual venho aqui com uma nova postagem. Não cheguei a comentar aqui, eu desde o início do ano venho retomado ajuda psiquiátrica com psicólogo e neurologista. Motivo maior: meu filho sendo taxado como filho de maluco por algumas pessoas.

Durante minha infância sempre fui tratado como esquisito, maluco e afins. Porque eu, ao contrário de muitos, tinha uma educação baseada na disciplina e na obediência nas regras o que gerou por consequência rejeição e retaliação por muitos nos ambientes que me associava, como por exemplo na escola.


O fato é esse cultivo da rejeição me fez uma pessoa menos sociável e até certo ponto tímida. Além de ter um comportamento peculiar de euforia. Isto era motivo para me taxarem como maluco e ganhar apelidos como Tonho da Lua e Jamanta.

Crianças e adolescentes são cruéis a este ponto: não costumam perdoar o diferente ainda mais quando este se esforça pra andar na linha, acredita que seu esforço é recompensado e o é para os pais e professores, mas para seus colegas ele sempre será o doentão esquisito.

O que leva a pessoas como nós escolherem bem amigos. Eu por exemplo só tive um amigo por toda minha infância e adolescência. Alguém que era aproximadamente da minha idade e tinha as mesmas idéias, mesmo ele não sendo tão nerd. Quando ele se mudou aquilo foi um choque pra mim e veio com a notícia de que eu era mal visto pelas pessoas em geral e eram ditos comentários maldosos.

O fato é que se você for um padrão que a sociedade acha aceitável logo tratam você como portador de alguma síndrome ou problema mental, isto quando não põe sua sexualidade em cheque. Isto porque, conforme disse anteriormente, você não se envolve com qualquer pessoa e não busca um relacionamento justamente porque você não se valoriza, é tão mal falado que aquelas palavras pesam em sua reputação e te intimidam a chance de iniciativa.

Só fui voltar a ter um grupo de amigos em 1998, alguns eram do colégio, do tipo de contar no dedo. E eram atualizados bastante com o universo que eu curtia: games. Isso pra mim foi como o renascimento de um cara que se achava viver excluído socialmente e não se encontrar em um grupo.

Apesar disso, na escolha ainda acontecia a retaliação e era o ambiente em que eu passava boa parte do meu tempo. Era como carregar um fardo com uma responsabilidade. Momentos que eu tive que queria chorar, largar tudo. Se não fosse pela insistência e carinho que minha mãe tinha, e também com o tempo acabei endurecendo um pouco meu espírito. Passei a ser menos sociável, já estava de saco cheio de tudo aquilo. Não me interessava mais aquelas pessoas e sim os amigos os quais tinha um grupo.

Mas agora como pai fiquei preocupado com meu filho estar com essa mesma personalidade minha, sempre desejei que ele não repetisse o mesmo padrão comportamental e as crises de euforia que eu ainda tenho. Porém, como filho de peixe peixinho é, ele apresenta o mesmo comportamento.

Isso levou a busca também para que eu pudesse entender tudo isso. Veja bem: já parei psicólogos antes, já fiz até eletro mas disso que eu fiz pouco lembro. Então precisava abrir novamente esse baú para saber a verdade. Meu filho tem hiperatividade devido a essa agitação descontrolada e está tendo uma atividade numa escola de futebol para descarregar essa enerigia.

Quanto a mim fiz um eletro e, subvertendo as expectativas de alguns, o neurologista afirmou que eu tenho uma atividade cerebral normal e me recomendou uns remédios para minhas crises de ansiedade, e cortou o café da minha dieta (poxa, doutor).

Toda essa narrativa mostra o quando a sociedade ainda é preconceituosa com quem tem problemas de socialização oriundos de transtornos ou limitações seja elas quais forem. Crianças e adolescentes são cruéis a maioria das vezes e geralmente não entendem muito de empatia, o ambiente escolar é um ambiente canibalesco onde existem os populares e os excluídos. Isso não vai mudar, nem espero que mude. Mas gostaria que se entendesse que pessoas com problemas de socialização existem, mas nunca são levadas em conta, até são rechaçadas mais pela sociedade e pela mídia como o caso dos Incels.

Ninguém é obrigado a saber da história de um desconhecido, nem porque ele é babaca com os outros algumas vezes, mas deveríamos nos esforçar pra entender de onde vem essa atitude e aceitar que a gente pode ter culpa no processo, pois todos nós fomos crianças e adolescentes e fomos diversas vezes escrotos essas pessoas que se tornaram assim. Deveríamos no mínimo aceitar que em certos momentos agimos com crueldade com os outros e tentar minimizar a crueldade dos nosso filhos, para evitar mais rancor no futuro.